«É urgente dar as mãos e apoiar as Escolas Católicas», D. António Moiteiro (C\áudio)

Responsável pelo setor da educação cristã em Portugal lembra “tempos difíceis” e pede “solidariedade do estado para estas instituições de ensino”.

“É urgente que o Estado português, através do seu Ministério da Educação, olhe com atenção para a realidade das escolas católicas, e do ensino particular, que atravessa muitas dificuldades nesta hora de pandemia”, disse, esta manhã, D. António Moiteiro, presidente da Comissão Episcopal da Educação Cristã e Doutrina da Fé (CEECDF).

Reforçando a ideia de que “toda a sociedade sofre com o problema do covid-19” o prelado lembrou “problemas antigos, como a diminuição dos financiamentos estatais que colocaram as instituições de ensino católico em perigo de rutura”.

“As escolas católicas já viviam tempo difíceis antes desta pandemia. Umas fecharam mesmo e outras encontram-se em estado de quase rutura financeira em virtude dos cortes de financiamento da parte do estado”, denunciou.

D. António Moiteiro considera que é fundamental “que os pais, as comunidades educativas e direções” deem as mãos nesta hora “perante uma tragédia que toca a todos” e pede “intervenção governamental para o setor”.

“Estas instituições de ensino fazem parte da rede escolar do país, São necessárias à ação de ensinar e aprender. É, por isso, importante, que o estado olhe com outros olhos para esta realidade do ensino particular”, sustentou.

Às centenas de comunidades educativas em dificuldade D. António Moiteiro deixou uma mensagem de esperança.

“Não podemos baixar os braços, nem perder a esperança. Teremos de acreditar que melhor é possível e isso faz-se unindo esforços de todos os intervenientes”, completou.

Educris|27.04.2020



Recursos:
D. António Moiteiro alerta para situação nas Escolas Católicas


Newsletter Educris

Receba as nossas novidades